O corpo ideal!

Será que realmente existe algo como corpo ideal? Aparentemente as pessoas têm, cada vez mais, dedicado parte de seu tempo modelando o corpo em academias e clínicas de estética. Algumas pessoas recorrem a métodos agressivos e chegam a colocar a saúde e até a vida em risco.
Infelizmente coisas assim ocorrem porque há uma grande confusão de valores na sociedade atual. A verdadeira definição de corpo ideal está muito longe do que é entendido pela maioria das pessoas. O objetivo de todos, certamente, é ser feliz, mas há uma urgência na necessidade de se mudar o foco dessa busca. Devemos focar não só a bela aparência – lembrar que a beleza física se deteriora com o tempo -, que também é uma questão de gosto, mas a saúde como um todo. Pessoas de menor estatura e de compleição física grande não poderão ser esguias e magricelas. Pessoas longilíneas, magras, não poderão ter enormes bíceps, nádegas e coxas. Há uma enorme variedade de formas em nossa espécie, e há gosto para todas elas.
Devemos nos livrar da ideia padrão que os meios de comunicação e marketing vêm colocando na cabeça das pessoas, sugerindo que somente um determinado tipo faz sucesso. Isso é apenas comércio, e vem causando um considerável mal às pessoas que buscam diligentemente se enquadrar nesse padrão.
O tipo ideal é aquele que, respeitando sua natureza, se mantém saudável, ágil, consciente de suas habilidades, integrado à natureza e àqueles a quem ama e com quem se identifica.
A felicidade não está numa receita que se inicia com uma aparência perfeita! Encontra-se dentro de cada um de modo peculiar e pessoal, não pode ser padronizada; é temperada pelo amor, curiosidade, acertos, conquistas, erros, derrotas, ganhos, perdas, alegrias e tristezas que cada um de nós, inevitavelmente, experimentamos durante a vida.
Não há vida perfeita, mas pode haver uma vida grandiosa, quando nos aceitamos e utilizamos nossa individualidade exclusiva para sermos quem somos, tecendo, durante nossa existência, uma teia de sabedoria e história, interligadas por alegrias e tristezas, que dará um colorido único a cada um de nós. Precisamos aprender a amar a nós mesmos, para sermos capazes de estender esse amor aos outros como uma fonte que não seca.
Pense nisso. Você já tem tudo para iniciar sua busca por você mesmo. É só começar.