Escorpiões

Escorpiões

       Os escorpiões são animais peçonhentos (possuem glândulas produtoras de veneno), pertencentes ao Filo Arthropoda e à Ordem Scorpiones.

       Há mais de 1500 espécies no mundo todo – com exceção dos polos ártico e antártico -, sendo que entre elas apenas 20 são venenosas. Dependendo da espécie a que pertencem, podem ter de 2 cm até 25 cm de comprimento. Ao contrário das histórias que se contam de escorpiões suicidas, são imunes ao próprio veneno.

       Acredita-se que no Brasil existam cerca de 160 espécies, mas apenas 4 delas são perigosas: Tityus serrulatus (considerado o escorpião mais perigoso da América do Sul, é conhecido como escorpião amarelo), Tityus bahiensis (conhecido como escorpião marrom), Tityus stigmurus (é o escorpião amarelo do Nordeste) e o Tityus paraensis (conhecido como o escorpião preto da Amazônia).

       Os escorpiões podem viver até 4 anos. Possuem hábito noturno, ou seja, saem à noite para se alimentar e ficam, durante o dia, escondidos em locais escuros e úmidos como: buracos e fendas entre tijolos ou pedras de paredes com falhas no reboco, frestas em barrancos, sob cascas de árvores, pilhas de madeira, caixas de gordura, forros, ralos, atrás de tanques, etc. São carnívoros. Gostam de comer cupins, moscas, grilos, baratas e outros insetos. Na falta de alimentos podem praticar o canibalismo, isto é, alimentam-se uns dos outros. As fêmeas não põem ovos. Após serem fecundadas geram, em cerca de 75 dias, filhotes (cerca de cinquenta por vez) que, conforme se desenvolvem, sobem para seu dorso. A maioria delas devora o macho após a fecundação. Os escorpiões são, também, alimentos de alguns predadores como: lacraias, sapos, gaviões, corujas, macacos, lagartos, aranhas, galinhas e camundongos.

       Os escorpiões não atacam as pessoas, apenas se defendem quando se sentem acuados. Seu veneno provoca os seguintes sintomas: dor intensa e imediata no local da picada, seguida de náusea (ânsia de vômito), vômitos, sudorese, febres, sensação de frio, contraturas, alterações no sistema cardiorrespiratório, entre outros. Muitos casos evoluem para a morte. Dados epidemiológicos estimam que anualmente ocorrem entre 1000 a 2000 mortes, por picadas de escorpião em todo o mundo.  Os sintomas são mais graves em crianças e pessoas idosas.

       Toda pessoa picada por escorpião deve, imediatamente, se dirigir a um hospital para atendimento médico. Há casos que necessitam da administração imediata do soro antiescorpiônico.

       No Brasil, os estados com maior número de acidentes são: Minas Gerais – campeão em ocorrências -, Bahia, Pará, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro.

       Algumas recomendações para pessoas que vivem em áreas de risco:

  • Manter jardins e quintais limpos, livres de entulhos, material de construção e lixo;
  • Evitar colocar roupas para secar no chão, cercas e muros próximos ao local suspeito;
  • Manter grama aparada;
  • Providenciar a limpeza periódica de terrenos baldios vizinhos às residências;
  • Evitar cultivar plantas e folhagens em vasos colocados nas paredes ou muito próximos a elas;
  • Sempre chacoalhar suas roupas e sapatos antes de usá-los;
  • Fechar rachaduras e buracos em muros e paredes, vedar ralos e vãos em assoalhos;
  • Se encontrar algum escorpião, ligar para o setor de Zoonose da prefeitura de seu município;

emagreca de modo definitivo