A natureza humana

A natureza humana.

Quem é o homem? Essa pergunta dá margem a muita reflexão!

Sem dúvida, necessitamos elucidar a natureza do homem antes de tentar
responde-la. Platão falou muito da natureza humana, fazendo uma separação entre
o corpo e a mente – ou alma – que, embora unidos, não se misturam. Aquilo que
pensarmos ser a natureza do homem definirá o sentido, o propósito e a
“consequência” de sua existência.

Observando o comportamento do homem, podemos percebê-lo como: Animal,
espiritual, social, individual, político, econômico, intelectual, sexual, etc. Disso
depreendemos que o homem pode ser entendido como espécie, ou seja, como Ser
coletivo e, após esse entendimento, estudado como indivíduo, com sua própria
história e particularidades que o tornam único.

O atributo que torna o homem diferente de todas as outras formas de vida com
as quais compartilha este planeta é a consciência. Temos consciência de nossa
existência e de nossa mortalidade. A consciência, embora individual, é
absolutamente dependente da coletividade em sua estrutura funcional que, para
interagir, encontrou meios muito eficientes de comunicação, sendo o principal a
criação da linguagem. A linguagem torna a experiência individual passível de ser
compartilhada, acrescentando mais e mais conhecimento aos indivíduos que a
entendem. Isso originou a estrutura social que define o papel do homem na
coletividade, determinando o comportamento que é e que não é aceitável. A partir
daí entra o indivíduo que, embora social, tem sua própria maneira de entender o
mundo e, muitas vezes, pensa e deseja viver uma vida bem diferente daquela
“socialmente” aceita. Dentro de cada um de nós há uma divergência entre o que
somos e o que precisamos ser para vivermos em sociedade. Essa divergência tem
intensidade diferente para cada indivíduo.

Para o biólogo Lorenz, o homem tem em si uma agressão inata contra sua
própria espécie, pois carrega, assim como os outros animais, um impulso fisiológico
desse comportamento. Embora consciente e social, tem um corpo animal ainda
muito próximo dos primórdios de sua origem, muito vulnerável aos instintos sexual
e de sobrevivência, arraigados em sua constituição.

É possível que a percepção da divergência entre indivíduo e sociedade tenha
levado Freud a estabelecer a ideia de que o bem-estar depende de uma relação
harmoniosa entre o processo mental individual e realidade social em que se vive.
Seu trabalho e intenção era harmonizar o indivíduo e o mundo utilizando técnicas
que deram origem à psicanálise.

Há muito para ser dito, mas o que escrevemos aqui basta, por enquanto, para
provocar um impulso de reflexão e curiosidade sobre essa espécie tão incrível à
qual pertencemos – a espécie Humana.

emagreca de modo definitivo