O que todos queremos?

Alguém já parou para se perguntar o que iguala tudo aquilo o que vive e é senciente – tem a capacidade de sofrer e sentir prazer ou felicidade – nesse mundo?
Poucas pessoas pensam nisso, pois todos estamos muito distraídos com nossas próprias vidas, não temos tempo para esse tipo de reflexão!
Há quatro coisas muito marcantes que se encontram presentes em todo ser senciente:nascimento, desejo de ser feliz, envelhecimento e morte. Dessas, o desejo é a mola que nos impulsiona a viver. Não apenas nós, mas também os animais buscam o conforto e a saciedade. Dessa percepção, podemos inferir que a busca pela felicidade é o fator comportamental mais importante e comum entre os seres!
A questão é: em nosso caso, o que nos fará felizes? Talvez essa seja a pergunta mais difícil que temos para nós mesmos. Raramente alguém tem uma resposta definitiva. A procura para essa resposta deveria começar pelo autoconhecimento. O que é a base para a felicidade, com todas as suas nuances de subjetividade e abstração? Com certeza é o corpo físico. Afinal é através dele que nos relacionamos com o mundo. Então, a saúde física é o primeiro degrau para a felicidade. Não é muito difícil entender isso, mas a maioria das pessoas só percebe o valor de sua saúde quando esta apresenta problemas.
Refletindo sobre isso, seria melhor passarmos a dar mais atenção à saúde, ficando atentos aos inúmeros sinais de desequilíbrio que nossos corpos estão constantemente nos dando, embora quase sempre negligenciados.
Precisamos estar conscientes de sinais físicos, como: noites ruins de sono, desânimo, dependência crescente de substâncias viciantes, ganho de peso, dores diversas, preguiça, indigestão, problemas intestinais, falta de ar, fadiga aos pequenos esforços, inchaços, tosse crônica, etc.
Vamos nos avaliar e ver se temos a base para todos os prazeres, uma base que seja capaz de nos permitir aproveitá-los em sua plenitude e nos garantir bem-estar e relaxamento.
Pensem nisso!